Vicente Ferreira Pastinha,
Mestre Pastinha (1889–1981)
foi defensor da Capoeira de Angola. Foi uma das grandes celebridades da vida popular na Bahia.
Vicente Ferreira Pastinha nasceu em 5 de abril de 1889 em Salvador-Bahia. Mulato claro de estatura mediana, magro, de temperamento gentil e acolhedor, bem-humorado, reuniu ao seu redor um grande numero de excelentes capoeiristas, nem tanto por ser jogador excepcional mas pela força de sua personalidade, seus dotes de filosofo e poeta, seu amor e conhecimento dos fundamentos da capoeira angola. Filho do espanhol José Señor Pastinha e de Dona Maria Eugênia Ferreira. Seu pai era um comerciante, dono de um pequeno armazém no centro histórico de Salvador e sua mãe, com a qual ele teve pouco contato, era uma negra natural de Santo Amaro da Purificação e que vivia de vender acarajé e de lavar roupa para famílias mais abastadas da capital baiana.
Diz-se que Pastinha aprendeu capoeira ainda menino com um negro de Angola chamado Benedito que presenciou as surras que constantemente tomava de um menino mais velho. Mestre Benedito o chamou e disse: "O tempo que você perde empinando raia, vem aqui no meu cazua que vou lhe ensinar coisa de muito valia". Existem outras versoes que dizem que Pastinha aprendeu capoeira bem tarde, ja homem maduro.
A principio mestre Pastinha ensinava capoeira para os colegas da Marinha, onde ingressou aos 12 anos. Depois que saiu, aos 20 anos, abriu sua primeira escola de capoeira na sede de uma oficina de ciclistas. Alem de capoeirista, mestre Pastinha, era pintor; chegando a dar aula de pintura de quadros a oleo. Em 1941 fundou o Centro Esportivo de Capoeira Angola no casarão número 19 do Largo do Pelourinho. Esta foi sua primeira academia-escola de capoeira.
Disciplina e organização eram regras básicas na escola de Pastinha e seus alunos sempre usavam calças pretas e camisas amarelas, cores do Ypiranga Futebol Clube, time do coração de Pastinha. Para Pastinha, a capoeira "de Angola se diferencia da Capoeira Regional por "nao ter método", ser "sagrada" e "maliciosa". Pastinha nao aceitava a "mistura" feita por mestre Bimba, que incorporou a capoeira movimentos de outras lutas.
Pastinha dedicou sua vida a capoeira angola, tornando-se um dos estandartes da cultura afro-brasileira. Faleceu em 14 de novembro de 1981, aos 92 anos de idade, cego havia 18, abandonado pelos orgaos publicos e pela maioria de seus antigos alunos.

"Angola, Capoeira Mãe!
É mandinga de escravo em ânsia de libertade.
Seu princípio não tem método,
Seu fim é inconcebível ao mais sábio dos mestres."